Destaque da Semana

Destaque da Semana
Silo Global de Sementes de Svalbard

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Passageiros - "Pitaco" C&M


SINOPSE ... :

Dois passageiros acordam 90 anos antes do tempo programado durante uma viagem colonizadora no espaço devido a um mau funcionamento de suas cabines. Sozinhos, Jim e Aurora começam a estreitar o seu relacionamento.

A monumental nave colonizadora - Avalon

Entretanto, a paz é ameaçada quando eles descobrem que a nave está correndo um sério risco e que eles são os únicos capazes de salvar os mais de cinco mil colegas em sono profundo.


TRAILER ... :


AVISO do C&M: As observações e notas do blog, não são, de maneira nenhuma, o retrato ou consenso comum de opinião. É só uma simples e humilde opinião do blog, na forma de um simplório bate-papo cinéfilo.

"Pitaco" do C&M
< ALERTA DE SPOILER! >

Vamos juntar em um mesmo filme, os dois atores mais em evidência na atualidade, ou ainda, substituindo a palavra evidência por ... "dois atores mais queridinhos" atualmente. 

Jogue na "mistura" uma história moderna e atual, e o resultado pode ser um filme de sucesso, não?


Hã, hum... Mais ou menos, mais ou menos.

Passageiros (no inglês passengers) - o que já é um ponto positivo ao meu ver, pois adoro traduções ao pé da letra para filmes - explora o âmago da personalidade humana.

Para explicar, primeiro tenho que retificar a sinopse do filme. "Eles" não acordam antes do tempo.


Quando a Avalon enfrenta uma chuva de meteoros e sofre avarias que desabilitam ou causam panes em determinados setores da nave, a capsula de Jim Preston (Pratt) sofre um defeito e acaba por despertá-lo. Sim, ele sim, acorda antes do tempo!


Depois de se ver sozinho numa nave colossal, onde as outras 5 mil e poucas almas só vão despertar 90 anos depois, Jim, no início, até consegue se manter sóbrio, fazendo uso de todas os "mimos" tecnológicos da Avalon. Temos até um andróide que faz o papel de um garçom, Arthur (Michael Sheen) como confidente e companhia. Isso tudo depois de já ter esgotado todas as idéias e tentativas de acordar membros da tripulação, que estão em sono na ponte de comando, hermeticamente fechada, blindada e protegida.


Mas quase um anos depois, a solidão cobra o preço e quando ele conhece a passageira Aurora (Lawrence) aí o "tico e o teco" entram em parafuso total. Por semanas e semanas, enquanto lê e assiste arquivos com depoimentos dela, fica se decidindo se a acorda ou não.


Chegamos, então ao contexto do filme: O indivíduo está só, em uma nave, onde não consegue hibernar novamente. Conhece uma mulher e se apaixona. Deve acordá-la e tentar esta paixão, mesmo sentenciando a mulher a um resto de vida restrita dentro da nave, ou deixa-la em paz, hibernando e seguir sozinho no seu trágico destino?


Como diz o personagem de Gus (Fishburne) mais tarde para Aurora em determinado momento: -"Quando uma pessoa está se afogando, a tendência é puxar alguém com ela..."

Então, tomado pelo ímpeto e cego pela solidão, Jim decide despertar Aurora - inicialmente mentido para ela, dizendo que foi defeito na sua capsula também - e daí em diante a história do filme passa a se centrar em duas vertentes: O desenvolvimento do relacionamento dos dois, e a crescente avaria da Avalon, que desde a chuva de meteoros apresenta setor após setor entrando em pane e resultando em defeitos.


Nos meses que se seguem, os dois estreitam o relacionamento, sem deixarem de perceber alguns defeitos aleatórios ocorrendo pela nave. 


O clímax se inicia quando Arthur por uma falha de comunicação em uma conversa entre os três entende que Jim e Aurora não possuem "segredos" e acaba por revelar para uma atônita Aurora que Jim a despertou propositalmente.

Obvio que o clima de amor cai por terra, com uma raivosa e decepcionada Aurora, e no meio disso tudo, para surpresa de todos, aparece Gus, perguntando sobre a árvore que plantaram em seu deck... Participação breve de Fishburn - que muitos atribuem à uma incrível coincidência, para que Jim e Aurora pudessem ter o card de acesso à outros níveis da nave, bem como se depararem com a sua verdadeira condição de deterioramento.

- Quem diabos plantou uma árvore no meu deck ?!?!

Neste final de filme, temos a precoce morte de Gus - atribuída à falha de sua cabine -  e a união e reaproximação de Jim e Aurora para, juntos, reparar a Avalon e salvar, além de si mesmos, os mais de 5 mil passageiros em hibernação.


Depois de posto de lado a lógica da razão humana, em contrapartida a situação, Aurora começa a entender que sua vida talvez não precisasse ser em um novo planeta - com ajuda de um vídeo, com amigas fazendo discursos de despedidas. Percebe que a felicidade que tanto procurava, ansiava, estava ali, ao lado de Jim, por quem se apaixonou, na Avalon.


A cena final, com participação relâmpago de um Andy Garcia um tanto quanto diferente, na pele do Capitão da Avalon, ao acordar e se deparar com uma pequena selva e uma cabana no deck da nave deixa claro que a vida continua e deve continuar seja qual for a adversidade. E os dois viveram, e salvaram todos nesse meio tempo.


Um bom filme - não excelente - mas bom. Não percam:

- Os passeios no lado de fora da Avalon.
- Os cenas da pista de dança, do jantar e na piscina da nave.
- As conversas com Arthur.

Grande abraço e obrigado por sua visita ...

sábado, 23 de setembro de 2017

Yang Kyoungjong

YANG KYOUNGJONG

Yang Kyoungjong foi um coreano que durante o decorrer da 2ª Grande Guerra Mundial lutou em 3 exércitos diferentes: O Exército Imperial Japonês, O Exército Soviético e por fim, na Wehrmacht alemã (OstBattalion).

Com isso, foi o único soldado a lutar em vários lados numa mesma guerra, e ganhou notoriedade. Esse é o resumo de sua história...

Yang (no destaque) em pé, durante a sua captura na França, lutando pela Alemanha

Nascido em março de 1920, a incrível trajetória de Yang se inicia em 1938 - aos seus 18 anos - época que se encontrava na região da Manchúria, e acabou sendo recrutado pelo Exército Kwantung, corpo integrante do Grande Exército Imperial Japonês para lutar contra a União Soviética.

Na época, a Coréia era governada pelo Japão.

Durante as batalhas de Khalkin Gol, foi capturado pelo Exército Vermelho Soviético e remetido para campos de trabalhos forçados. Entretanto, por conta da enorme escassez de mão-de-obra e soldados enfrentada pela União Soviética ante sua árdua luta contra a Alemanha Nazista, no ano de 1942, Yang foi recrutado à força (isso, ou a outra opção era nada menos que o fuzilamento) e enviado para frente de combate oriental européia juntamente com outros milhares de prisioneiros.


Em 1943, novamente, foi capturado por soldados da Wehrmacht no leste da Ucrânia durante a Terceira Batalha de Kharkov, e então também foi pressionado e recrutado à força para lutar, agora, pela Alemanha. 


Yang foi enviado para a França ocupada para servir em um batalhão de prisioneiros de guerra soviéticos (OstBattalion) conhecido como um "Batalhão do Leste". Na França, foi alocado na península de Cotentin, na Normandia, perto da Praia de Utah.


Após os desembarques do Dia D no norte da França pelas forças aliadas, Yang foi (de novo!) capturado por pára-quedistas do Exército dos Estados Unidos em junho de 1944.

Os americanos inicialmente acreditaram que se tratava de um japonês em uniforme alemão; na época, o Tenente Robert Brewer, do 506º Regimento de Infantaria de Paraquedismo, integrante da 101ª Divisão Aerotransportada, informou que seu regimento capturou quatro asiáticos em uniforme alemão após os desembarques de na praia de Utah e que inicialmente ninguém conseguiu se comunicar com eles.

Outro batalhão alemão de prisioneiros ou desertores

Yang foi enviado para um campo de prisioneiros na Grã-Bretanha e mais tarde transferido para um acampamento nos Estados Unidos.

Outros soldados coreanos capturados na praia de Utah em 1944

Depois que ele foi libertado no final da guerra, ele estabeleceu-se em Illinois, onde morou até sua morte em 1992, aos 72 anos.

Dúvida: Em dezembro de 2005, o canal SBS (Seoul Broadcasting System) exibiu um documentário sobre a real existência dos soldados asiáticos que serviram para Alemanha nazista e foram capturados pelas forças aliadas.

Foto: Soldados Coreanos na Wehrmacht

O documentário concluiu que, apesar do fato de que havia realmente soldados asiáticos no exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial, não havia evidências claras que indiquem a existência de um indivíduo chamado Yang Kyoungjong.

Filme: A história de Yang gerou um filme, "My Way".


Cena de My Way: Yang é capturado pelos alemães

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

São Paulo - Camisa III 2017/18


A Under Armour e o São Paulo fizeram a apresentação oficial do novo uniforme III para 2017/18, na última segunda (18/09).

A camisa é totalmente preta, com detalhes na cor "vinho".


Mas não é só isso.

O Layout é bem moderno, a começar pelo tipo da gola, um modelo em "Y" bem arrojado.  Seguindo-se a isso, temos espalhadas pela camisa marcas d'água que assemelham-se ao contorno do escudo do clube.


Na apresentação, alguns jogadores foram os "modelos", como Hernanes, Petros e Arboleta. E, sim, a imagem da nova camisa já havia "vazado" pela web dias antes do lançamento. A imagem é esta abaixo:


BLOG:

Ah, a internet ... (!) cada vez mais rápida e com auxílio de "smarts", fones e afins... Nada fica tão sigiloso assim... Mas, vamos falar do trabalho da UA... 

A Under tem uma tendência a realizar trabalhos impactantes, modernos ao extremo, e até mesmo surpreendentes. Entretanto, ao mesmo tempo, consegue se manter sóbria.


Esta camisa III do SPFC está dentro dessa premissa. Foi utilizada uma cor muito aplciada em camisas "thirds" com o adendo de um layout agressivamente (num tom posito, vejam...) moderno e bonito. O destaque são os diagramas na forma de marca d'água na camisa, bem como a gola "Y" que de cara já dá o tom de modernidade.


A camisa tem um corte também muito atual, que é o justo ao corpo. Se bem, que, tem que ser e ter um estilo e corpo bacana para vestir... Isso vale para os atletas... (risos).

O tom vinho (ou bordô escuro) que é plicado aos detalhes, como gole, barra da manga, e completando o uniforme, ao calção e meias, fecha o projeto com um casamento muito bonito, pois combina muito bem o com preto dominante na camisa.


No mais, temos o nome da Under nas mangas e esperar a aplicação dos aportes para ver como ficará, pois sabemos bem que isso é impactante visualmente em qualquer camisa.


Agora, a pancada no bolso... A camisa está à venda no site oficial da Under Armour e do clube ao preço de R$ 249,90 na versão torcedor e R$ 349,90  (!!!) na edição idêntica à dos jogadores.

Obrigado por sua visita...