Destaque da Semana

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Lendo... O Piloto de Hitler


Adoro ler, e este foi o meu presente [Amigo Oculto/Secreto] de minha esposa Rosita. Estou devorando-o...

"Esquecer Hitler é um perigo. Hitler nos mostrou como é fina a camada de verniz da civilização."
Anthony M. D'Agostino [Time, 24 de janeiro de 2000]

Para escrever "O piloto de Hitler", C. Glen. Sweeting, norte-americano especialista em história militar alemã, fez uma extensa e rigorosa pesquisa e resgatou o testemunho de um homem obstinado e fiel a Adolf Hitler não só até seus últimos momentos no bunker da Chancelaria na Berlim sob ataque dos soviéticos, mas também após o suicídio do ditador derrotado, mesmo depois de ter sofrido dez anos em prisões e campos de trabalho forçado na União Soviética.

Piloto do ditador a partir da ascensão do nazismo, Hans Baur era a sombra de Hitler no céu.

Sweeting retrata em detalhes preciosos, através na ótica de Baur os dias de Hitler, em momentos de glória, delírios diabólicos e megalomaníacos [tenho o mundo no meu bolso], e do humilhante fracasso, desde a 1ª Guerra Mundial e sobretudo durante a Segunda. O autor segue os passos [ou melhor, os voos] de Baur, ao mesmo tempo que registra a evolução do nazismo e o progresso a aeronáutica a serviço da guerra.

Hitler se sentia mais seguro no ar do que em terra. De 1932 até  o fim fez somente um único voo sem Hans Baur, a quem promoveu a general de brigada SS. Assim como outros generais, Baur jurava não ter ouvido nada à respeito do genocídio.

C.G. Sweeting tenta entender o enigma que foi Baur em sua fé inquebrantável por Hitler e levanta questões sobre o que teria levado a Alemanha ao nazismo.

Os capítulos finais, sobre a queda do III Reich, a tentativa de fuga dos generais de Hitler [o medo deu asas ao pés, escreve o autor], a prisão de Baur e os longos, cruéis e repetitivos interrogatórios soviéticos [Stalin acreditava que Baur havia levado Hitler para fora da Alemanha], a libertação e o retorno de Baur ao seu país são eletrizantes.

Não se pode esquecer Hitler.

Conhecer bem a história, como detalhadamente descrita por Sweeting neste livro, é essencial para evitar o retorno da bestialidade entre os homens.

Hugo Almeida [editorial]

Nenhum comentário: