Destaque da Semana

Destaque da Semana
Venda de camisas de futebol

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Cruzeiro & Umbro - Coleção 2017/18


A Umbro e o Cruzeiro lançaram neste último domingo (25) seu novo conjunto de uniformes da equipe para 2017/18. O novo manto celeste foi exposto em uma estrutura na esplanada do Gigante da Pampulha para apresentar ao torcedor a nova camisa, que foi usada pela equipe na partida no próprio domingo contra o Coritiba, no estádio.


A inspiração veio nos tempos gloriosos vividos pelo Cruzeiro Esporte Clube.  A Umbro decidiu trazer de volta a emoção das importantes temporadas da década de 90, presenteando a raposa com novos uniformes. 


A Camisa titular é predominantemente azul e apresenta uma releitura que soma tradição e modernidade, inserindo grafismos do cruzeiro do sul em estampa frontal, com tom levemente escuro. O escudo segue a última tendência e continua com a constelação do Cruzeiro do Sul, "solta".


Além disso, o modelo trás homenagens das conquistas como a Copa Libertadores da América (1997), Copa do Brasil (1993 e 1996), Supercopa dos Campeões da Libertadores da América (1991, 1992), Recopa Sul-Americana (1998).


Já na camisa nº 02, manteve-se o branco como cor predominante, acompanhada de detalhes em azul, uma gola polo de caimento elegante usa friso azul em retilínea e peitilho triangular, unindo a alfaiataria da Umbro com o amor Cruzeirense. E também com o escudo somente com a constelação estampada.


O modelo também ostenta as mesmas homenagens já citadas anteriormente, em alusão aos títulos da década de 90 na camisa titular.


Agora, o bolso: As camisas já estão sendo vendidas na loja do clube no estádio. A camisa "versão torcedor" custa R$ 239,90. Ela também poderá ser adquirida na versão "game", com pano semelhante ao utilizado pelos atletas durante os jogos. Esse modelo custa R$ 289,90.


BLOG:

Primeiro: Vi muita gente na web criticando o fato de não "se ousar" na elaboração de uma arte para camisa e por aí vai... Certo. Em alguns casos, isso ocorre de fato. Mas em outros... não.


Calma, eu vou tentar me explicar...

Trabalhar com clubes tradicionais e de grande apelo, como é o caso de Cruzeiro, seu rival Atlético-MG, Flamengo, São Paulo e etc, apresenta um pouco de dificuldade, pois quase sempre as idéias dos designers vão esbarrar com o estatuto do clube. Aqui, no caso do Cruzeiro, temos isso bem forte.



Versão feminina em exposição

Senão me engano, as únicas vezes que percebi algo diferente disto, foram para terceiras camisas.


Dito, isso, retorno para "papear" sobre esse lançamento.




Essa idéia de estampa frontal diferenciada... Já vimos isso esse ano? Sim. Chapecoense 2017 (Titular). Mas isso, de maneira nenhuma, quer dizer que a ideia não é boa! Muito pelo contrário! Para podermos conceber uma "novidade", mesmo que seja tênue numa camisa que não pode ter muitas disparidades, até soa muito bem!



Só que a estampa poderia ser melhor trabalhada. Eu a vejo, e sinceramente, não me vem à mente uma homenagem àqueles uniformes da década de 90 do clube. Falta algo. O escudo segue o padrão que a fornecedora e o clube tem adotado nos últimos lançamentos, e temos os acabamentos, que sim, dão a força aos novos uniformes.


As etiquetas, a arte aplicada no grafismo da camisa II, nos ombros, a opção por diferenciar as golas nos dois modelos, a coroa aplicada embaixo do nome da Umbro por trás das golas... E o numerário moderno e personalizado (com mascotes ou escudos dos clubes) ... Aqui no caso: a Raposa!



Esse numerário da Umbro para este ano 2017/2018 em suas camisas - já disse, mas vou repetir - sensacional!


Assim, no cômputo final e geral, vejo com bons olhos, mas não impressionou. Depois entram os necessários (mas irritantes) aportes e aí é uma mistura de vermelho e amarelo com o azul profundo que é muito fo******a de ver!!! 


Curiosidade:

Como já está ficando frequente nestes lançamentos...

Pelas redes sociais, circulou uma possível camisa do Cruzeiro para esta temporada.

Ela relembra o modelo usado pelo time na Libertadores de 1997.

Na barra contém as duas taças do torneio (1976 e 1997) conquistadas pelo clube celeste, com o número 20 - homenagem aos 20 anos do título do bicampeonato.

Perguntando pela mídia na época se este modelo era mesmo o escolhido pela diretoria, o clube negou.

Ao final, ficam fotos da camisa em campo:

Nenhum comentário: