Destaque da Semana

Destaque da Semana
Silo Global de Sementes de Svalbard

quarta-feira, 27 de junho de 2012

V Open Superkits: #03

PARTE 03  Seção (temática) Malvinas 30 anos

Hoje, o C&M vai mostrar algumas das miniaturas que compuseram a seção temática na exposição: Guerra das Malvinas (30 anos).

Caças argentinos Dassault-Breguet Mirage III

Guerra das Malvinas: A Argentina utilizou seus Mirage III EA & Dagger's durante a Guerra das Malvinas (1982), para missões de ataque anti-navio e combate aéreo.

McDonnell Douglas A-4 Skyhawk da FAA

O McDonnell Douglas A-4 Skyhawk é um avião de ataque naval especialmente desenvolvido para operar a partir de porta-aviões. Desenvolvido nos anos 1950 para a Marinha dos EUA, o pequeno, econômico, mas versátil Skyhawk continua em uso em diversas forças aéreas do mundo.

Imagem: Perfil de um A-4C Skyhawk da Fuerza Aerea Argentina (semelhante à miniatura exposta acima)com um dos esquemas de pintura adotados por estes aviões durante a Guerra das Malvinas.
 (Fonte: Malvinas/Falklands - Perfis de Aviões).

Pela Força Aérea e Marinha Argentinas, o A-4 teve destacado papel na Guerra das Malvinas. Aeronaves A-4P e A-4Q (A-4B) e A-4C conduziram diversas missões de ataque durante o conflito do Atlântico Sul, geralmente carregando bombas e realizando ataques anti-navio. As aeronaves da Força Aérea Argentina receberam faixas amarelas e posteriormente azul turquesa como forma de identificá-las como "amigas" perante as baterias de artilharia anti-aérea argentina estacionadas nas ilhas Malvinas durante o conflito.


Acima: Perfil de dois A-4P antes e depois da aplicação de faixas para facilitar identificação da aeronave para baterias amigas em solo.

A Argentina, junto com Israel, foi um dos maiores operadores do Skyhawk. Desde 1998, uma versão modernizada conhecida como A-4AR Fightinghawk está operando pela Força Aérea Argentina. Esta versão está equipada com o radar ARG-1, uma versão do AN/APG-66 do F-16. 36 unidades estão operacionais.


Imagem: Outro perfil de pintura utilizado pela Argentina nos A-4 nas Malvinas.

A Marinha do Brasil possui 23 exemplares de Skyhawk da versão A-4KU, a última a ser produzida. Desses, 20 são monopostos (versão A-4KU) e 3 bipostos de treinamento (versão TA-4KU). Destas aeronaves, cinco monoplaces são utilizados como fontes de peças.


Os Skyhawk brasileiros ficam sediados na Base Aérea Naval de São Pedro Aldeia (BAeNSPA) e operam embarcados no NAe São Paulo(imagem acima).

1ª imagem (Não identificada)... Mas acredito ser um Aermachi MB-326.
Acima: Um modelo FMA  IA 58 Pucará.

O FMA IA 58 Pucará (do termo quechua: «Fortaleza») é um avião, bimotor turbo-hélice, de combate ligeiro de projeto e construção argentina. Desenvolvido pela Fabrica Militar de Aviones da Argentina na década de 1970, foi utilizado na Guerra das Malvinas. É projetado para operar em pequenas pistas de terra e sua missão primordial é de apoio a forças terrestres, combate anti-helicopteros e missões de contra-insurgência.

Bombardeiro britânico Avro Vulcan

O Avro Vulcan é um bombardeiro estratégico de grande autonomia fabricado na Inglaterra pela Avro.

Facilmente identificado por suas asas em delta, foi um dos três modelos do chamado trio mágico da Real Força Aérea, os "V Bombers", sobre o qual repousou por mais tempo a dissuasão nuclear da Inglaterra. Notável bombardeiro tático a baixa altura (versão B.2). Não transportava armamento defensivo.


O Vulcan deixou o serviço na RAF no início dos anos 80, não antes, porém, de realizar em 1982 sua única missão de combate real: raides extremamente longos com o código "Black Buck", quando bombardearam a pista e as instalações de radar de Port Stanley, durante a Guerra das Malvinas. Durante uma dessas missões, em 3 de junho de 1982, um Vulcan (nº XM597 - FOTO ABAIXO) sofre uma pane hidráulica e não consegue efetuar o reabastecimento em voo. 

Vulcan XM-597. Notem a bandeira do brasil no corpo da aeronave

Para não cair no mar, invade o espaço aéreo brasileiro sendo escoltado por caças Northrop F-5E Tiger II até o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, onde faz um pouso de emergência, causando um incidente diplomático entre Argentina, Brasil e Grã Bretanha. Após alguns dias retido, o avião é autorizado a retornar à sua base na ilha de Ascensão.

Helicóptero Westland Wessex (HAS.3) ao fundo: caças Sea Harrier ingleses

Cerca de 55 unidades do helicóptero Westland Wessex foram mobilizados para a Guerra das Malvinas em 1982, embora alguns destes, enviados como substitutos, só chegrama após do fim das hostilidades. Seu papel principal era transporte de equipamentos e pessoal e era munido de sistemas de mísseis Rapier e artilharia defensiva leve.

Em 21 de maio de 1982, unidades do 845º Esquadrão de Wessex HU.5s auxiliou nos desembarques britânicos em East Falkland. Alguns dias depois, missões de SAS britânicos foram instalados com a ajuda de Wessex HU.5s, nas montanhas atrás de Port Stanley.

Wessex em operação nas ilhas de Ascensão (1982)

Seis unidades do 848º Esquadrão de Wessex HU.5s foram perdidos quando o navio Atlantic Conveyor foi afundado. Um total de nove (oito Wessexes HU.5s e um HAS.3) foram perdidos durante a campanha das Malvinas.

HMS (R05) Invincible

O HMS Invincible (R05)foi um porta-aviões, líder da Classe Invincible, da Marinha da Inglaterra. Foi comissionado na Royal Navy em 11 de julho de 1980. Participou da Guerra das Malvinas e foi desativado em 3 de agosto de 2005.

Imagens: Duas cenas do Invincible. Na segunda foto (acima), o seu retorno (festivo) do conflito nas Malvinas.

Permaneceu em reserva até o ano de 2010. O navio foi oficialmente desmontado em 2011.

*  *  *  *  *  *  *  *

Caro leitor deste humilde blog... Você deve estar, logicamente, se perguntando... E o Sea Harrier??? O grande protagonista no conflito nas Malvinas??? Pois é... A única foto que tirei do famoso caça de decolagem vertical é aquela ali de cima, ao fundo do Helicóptero Wessex. Deixo um gostinho abaixo. Mais para frente vou fazer um post especial para o Harrier...


O Sea Harrier da BAE Systems é um caça, de defesa e intervenção de base móvel (geralmente marítima). Foi o primeiro avião a jato do mundo a decolar e a aterrar verticalmente e foi criado para a Marinha Britânica (RAF) a partir do Hawker Siddeley Harrier.

Mais?... Não perca em breve no blog...

Nenhum comentário: