Destaque da Semana

Destaque da Semana
Silo Global de Sementes de Svalbard

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Planeta dos Macacos - A Origem (Opinião C&M)

Planeta dos Macacos: A Origem

(Rise of the Planet of the Apes)

Elenco: James Franco, Freida Pinto, Andy Serkis, Brian Cox, Tom Felton, David Hewlett, John Lithgow.


SINOPSE

A arrogância do Homem deflagra uma cadeia de acontecimentos que leva os símios a desenvolver um outro tipo de inteligência e a desafiar nosso posto de espécie dominante no planeta. 


César, o primeiro símio inteligente, é traído pelos humanos e se revolta passando a liderar a incrível corrida de sua espécie rumo à liberdade e ao inevitável confronto com o Homem.


Para dar vida à César, a WETA -- a equipe que venceu o Oscar® com Avatar -- criou com animação computadorizada um símio capaz de demonstrar interpretação dramática delineada por cargas de emoção e inteligência até então inéditas nas telas.


TRAILER

Direção: Rupert Wyatt.

Curiosidades:

O nome dado a mãe de César no filme é "Bright Eyes", devido à coloração nos olhos causada pelo vírus ALZ-112. Mas "Bright Eyes" é o nome dado a Taylor (Charlton Heston) pelo Dr. Zira (Kim Hunter), no Planeta dos Macacos original.

O nome do personagem de Tom Felton é Dodge Landon, referência para Dodge (Jeff Burton) e Landon (Robert Gunner), colegas de Taylor (Charlton Heston) em Planeta dos Macacos original.

Em uma cena, César está montando um quebra-cabeças da Estátua da Liberdade, em referência ao fim do Planeta dos Macacos original.

Inicialmente intitulado 'Rise of the Apes' (A Ascensão dos Macacos), foi alterado para 'Rise of the Planet of the Apes' (A Ascensão do Planeta dos Macacos). 


Demorei uma eternidade para locar este DVD! Sempre fiquei na dúvida sobre esta história e não dei o devido crédito...

ERREI de novo.

Acho que movido pelo filme de 2001.Esta sequência é muito coesa e forte na sua concepção. Embasado por um ótimo enredo, plausível e compatível com uma sequência lógica, pautado por ótimas atuações e uma tecnologia maravilhosa, que em momento nenhum, nos faz crer que César é artificial.



O filme faz um direto embasamento (e muito forte) na prepotência humana, sobre a face da Terra, e de que como simples ações arrogantes podem propiciar um desastre sem precedentes, muito embora, a ascenção da inteligência símia não tenha sido a única causa da decadência humana, e sim fatos conjungados.



Isso me agradou ao extremo no filme também, pois desde os primeiros filmes da série, na mítica imagem de Taylor observando a semi-enterrada Estátua da Liberdade, ficamos imaginando como se deu a terrível queda da humanidade. 

Este primeiro filme começa à explicar os reais motivos que levaram à isto.


Inclusive nos créditos finais, com uma sequência final no aeroporto e com a disseminação do vírus pela globo.

Andy Serkis dá vida à César, através de sua interação com a a computação gráfica, com perfeição de detalhes incríveis, como sorrisos, olhares e lágrimas. 


Isso faz com que, apesar da boa atuação de James Franco, John Lithgo, Brian Cox e outros, ficarem como coadjuvantes.


Para encerrar, ótimas cenas de ação e movimento frenético nos minutos finais, no embate dos símios com forças policiais... Ainda bem que decidi locar o filme. Belo trabalho do diretor Rupert Wyatt.


Obrigado por sua visita!!! Até uma próxima!!!

Nenhum comentário: