Destaque da Semana

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Projeto Red Bull STRATOS


O Red Bul Stratos é um projeto científico que visa juntar dados e informações sobre o efeito de situações extremas de altitude sobre o corpo humano e equipamentos, através de saltos programados de altíssima altitude (acima dos 31.000 metros) e também computar dados para a elaboração e construção de equipamentos avançados e apropriados para viagens sub-espaciais.


Exatamente às 09:50 AM do dia 15 de março de 2012, Felix Baumgartner pousou com seu pára-quedas especialmente preparado no deserto do Novo México, distante cerca de 40 quilômetros de Roswell, o centro de operações da última fase da Missão Stratos da Red Bull, completando assim um estágio de sua missão ao limiar dos portões do espaço.


Uma hora e quarenta minutos mais cedo, o atleta nascido na Áustria tinha iniciado o acesso às alturas extremas em uma cápsula espacial pressurizada, impulsionado por um balão de hélio de 50 metros de comprimento que levou à altura planejada para o experimento: 21.800 metros.


O objetivo deste salto foi verificar se todos os sistemas da cápsula e do traje funcionariam corretamente em condições reais, além de superar a "linha de Armstrong." Essa área é onde as leis da física da terra desaparecem.


É uma região inóspita aos seres humanos, onde os líquidos começam a evaporar-se e as temperaturas caem para 60 graus abaixo de zero.


Uma pessoa não poderia sobreviver naquelas condições, sem um traje e equipamentos apropriados para protegê-lo das forças de despressurização e da falta de oxigênio. A subida até o ponto de salto e a saída da cápsula foram como esperado.


Baumgartner caiu para a Terra a uma velocidade de quase 600 quilômetros por hora em pouco mais de 8 minutos. Mais tarde, o austríaco disse que o maior problema encontrado durante o salto foi o frio extremo.


Este salto foi apenas o precursor do salto principal final que será feito de uma altura de cerca de 37.000 pés. Porém, o austríaco já superou vários recordes: Baumgartner se tornou a terceira pessoa a saltar de uma altura extrema e sobreviver.


As únicas pessoas que conseguiram tal sucesso em saltar de limites superiores foram o russo Eugene Andreev (25.458 metros de altura) e norte-americano Joseph Kittinger (31.300 metros de altura), na década de 1960.

A cápsula especial pressurizada com o qual Baumgartner saltou foi separado por uma pequena carga explosiva do balão e ia diminuindo regularmente a velocidade de queda graças a um pára-quedas especial que garantiu o pouso sem danos no deserto.

Kittinger, uma lenda viva de 83 anos, está trabalhando com a Red Bull na missão Stratos como um diretor técnico e dirigiu o salto teste de Baumgartner do Centro de Controle, em Roswell.

Imagens: 1ª foto (topo) Kittinger hoje aos 83 anos. E na foto acima com Baumgartner

Kittinger é parte de uma equipe de cerca de 100 especialistas nos campos da ciência, medicina e engenharia aeroespacial.

Joseph William Kittinger II (Tampa, 27 de Julho de 1928) foi um piloto da força aérea dos Estados Unidos da América. Ele ficou famoso por participar do Projeto Excelsior onde ele saltou de um balão de hélio de uma altitude de 31,3 quilômetros (102.800 pés), no dia 16 de agosto de 1960.


Kittinger foi designado pelo Aerospace Medical Research Laboratories da base aérea de Wright-Patterson AFB em Dayton, Ohio, para o Projeto Excelsior.


O projeto consistia em uma série de saltos, para testarem o sistema Beaupre de paraquedas de multi-estágios que fosse confiável após uma ejeção a grandes altitudes e a velocidades supersônicas.

No dia 16 de Agosto de 1960, ele realizou o salto final, denominado Excelsior III a 31.300 metros de altura (102.800 pés). Ele ficou em queda livre por 4 minutos e 36 segundos e alcançou a velocidade máxima de 988 km/h (614 milhas por hora) antes de abrir seu pára-quedas a 5.500 m (18.000 pés).


Ele bateu todos os recordes para a maior altitude alcançada por um balão, maior altitude de um salto de paraquedas, maior queda livre e maior velocidade atingida por um homem através da atmosfera.


O tempo total do salto foi de 13 minutos e 45 segundos, onde Kittinger foi exposto ainda a temperaturas de até -70º Celsius.  De acordo com Kittinger, ele quebrou a barreira do som (!!!) chegando a 1.148 km/h (714 milhas por hora) durante seu famoso salto.


Controvérsias: Além do fato de certas fontes não confirmarem que Kittinger realmente chegou a quebrar a barreira do som, existem também divergências de que o salto de Kittinger não foi uma queda livre real, já que ele usou um pequeno paraquedas, que se abriu 13 minutos após pular da gôndola, para estabilizar sua queda.


Kittinger teria percorrido então cerca de 25.800 metros de queda livre. Há também o fato de que o salto foi efeuado para fins militares, o que não o validaria como recorde.



Sendo assim: De acordo com o Guinness Book of Records, Eugene Andreev (USSR) detém até hoje o recorde oficial da FAI (Fédération Aéronautique Internationale) de maior queda livre. No dia 1° de novembro de 1962, perto da cidade de Volsk, Andreev percorreu a distância de 24.500 metros, depois de pular de uma altitude de 25.458 metros (83.523 pés) e só abrindo seu paraquedas a 958 metros do solo. Andreev aterrissou com segurança perto da cidade de Saratov.

O C&M fica por aqui. Agradeço sua VISITA...
VALEU!!!

Nenhum comentário: