Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Cotidiano em imagens C&M - 18.04.2012


Hoje a postagem no C&M vai ser um bate-papo na verdade...

Decidi mudar um pouco a minha rotina de vida diária, e decidi deixar o carro em casa “de molho” e pelo menos três vezes por semana fazer uma caminhada na ida e retorno do trabalho. Quero com isso, inserir um hábito mais saudável, pois tenho tido alguns sustos com minha saúde, e também fazer minha parte e tirar um automóvel à mais das ruas, afinal, tenho a facilidade de trabalhar próximo de casa, numa distância aproximadamente de 2 quilômetros.

Com isso aproveitei para pôr em prática o hobby de fotografar os “busões” que adoro e registrar situações rotineiras curiosas...


Resta saber se os bardeneiros e pichadores sabem que ELE existe...

A Questão das calçadas

Com as obras de revitalizações de algumas vias importantes ministradas pela prefeitura da cidade, observamos algumas situações diferenciadas. Lá pelas bandas do centro e seu entorno, o calçamento escolhido para compor o paisagismo urbano é o convencional, com bloquinhos de concreto, substituindo o famoso “Petit-Pavet” que apesar de histórico na cidade e bonito, é muito perigoso, sobretudo para os idosos e em dias de chuva, por ser extremamente escorregadio.

Acima: Calçamento Petit-Pavet (Pêtit-Pavê) e principal problema

Novo calçamento no Anel Central Viário: Bloquinhos de concreto

Nos bairros, o calçamento adotado, no entando, é o asfáltico mesmo. No início, confesso que torci o nariz para essa escolha.

Calçada na Rua José Hauer : ASFALTO

Mas, na prática, nessas minha caminhadas, constatei que este último tipo de calçada é o melhor – não podendo gerar um toque paisagístico – para ser adotado. Proporciona segurança, por ser nivelado, homogêneo e não escorregar. A caminhada nestas calçadas é tranquila e segura. Presenciei, inclusive, vários idosos juntamente comigo.


É muito bom caminhar numa superfície certinha, hein!

Visão da calçada na Rua Desembargador Antonio de Paula

Mas, como sempre, nem tudo são flores. Juntamente com o calçamento, foram implantadas as rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida. Porém, no caso da Rua José Hauer em que a obra se deu em meados do ano passado, não houve a manutenção dessas rampas, e naturalmente, algumas delas estão se deteriorando, ficando difícil para o uso...

As rampas estão lá... Algumas estão ainda em bom estado... mas...

Outras, no entanto... Imaginem uma cadeira de rodas... Ia subir, claro, mas com que trabalho!!!

Às vezes eu penso que o pessoal da prefeitura gosta de “criar” problemas simples. Aqui no caso é tão simples... É só vir ao local e ministrar uma simples manutenção... Só.

Outro local que está “decrépito” são as calçadas no Avenida Marechal Floriano, onde inclusive passam os articulados e bi-articulados na região. Na imagem abaixo, temos a calçada na canaleta do ônibus, e bem no local da faixa de pedestre. Ou seja... Fácil de uma pessoa tropeçar aí... Concordam?

Situação da calçada bem na travessia de pedestres... Ali no canto direito é a rampa (?!?!) para portadores de mobilidade reduzida...
(Sim, existia uma rampa ali!)

Como o trecho está entrando em obra de revitalização, resta uma esperança...

Os "Cliques" de Hoje:


Adorei esta foto...


Essa também ficou legal...




As viaturas dos "Hômes" Municipais ... Guarda Municipal de Curitiba

Belo desenho na Lateral da Rua da Cidadania CARMO 
(Por quanto tempo se manterá assim...) Olha a situação do Orelhão ao lado...





E abaixo, “SIGA RETO!”...

Mas a seta não está reta... Está de lado...

E fecho este post com uma imagem bacana:


Essas casinhas estão na rua em que resido, distante algumas quadras de minha residência. Na hora que vi e registrei, só um pensamento vinha à minha cabeça : - Se não podemos fazer tudo que é possível, façamos então o que é necessário. Resumindo: Os moradores das casas da quadra, sem poder recolher os animas de rua, fizeram, pelo menos, uma proteção para as noites chuvosas e frias de Curitiba. Achei sensacional. Queria conversar com alguém, mas foi de manhã bem cedo, e não havia ninguém nas redonzesas, somente alguns protegidos cachorrinhos dentro das casas. Show.

Fico por aqui pessoal... Até a próxima...

Dia de fotos com camisas...

Tchau!!!

Nenhum comentário: